ave perdida

                                
                

            AVE PERDIDA

           

            às cinco da madrugada

            na cidade adormecida

            por entre o tudo e o nada

            canta uma ave perdida; 

            

            anúncia um novo dia

            que da noite se adivinha

            é um canto que arrepia

            vem da tua alma prá minha; 

            

            pelo vazio a janela

            procuro o lugar onde estás

            mas esse canto de ave bela

            leva tudo e nada trás; 

            

            raia o dia sem sentido 

            não oiço mais o teu canto

            ando perdido de tudo

            oiço agora o meu pranto;

           

            Oirégor

           

                 

Anúncios

alta primavera

                                        

                            ALTA PRIMAVERA

 Brinca o pardal no beirado
É a nova Primavera
Volta de novo o fado
Da planície até à serra;
 
Corre a seara ondulante
Atravessa a Primavera
Canta a perdiz alegre na fonte
Tem o seu amante à espera;
 
Voa o cuco pelos ares
Sem casa não desespera
Põe os ovos noutros lares
Já vai alta a Primavera…
 
Salta leve a minha amada
Por entre as flores da terra
Voa uma andorinha perdida
Por ser breve a Primavera…;
 
oirégor

silêncios

             
              
              SILÊNCIOS 
Silêncio…
Oiço o calor da tua presença
Silêncio…
Oiço o bater do teu coração
Silêncioo…
Oiço a tua alma intensa
Silênciooo…
E, oiço já a pele da tua mão;
 
Silêncio…
Há um momento em que te procuro
E, Silêncio…
Há uma presença alegre neste escuro
Silêncioo…
Há um sabor encantado que me farta
Silênciooo…
E, há a tua beleza sem conta;
 
Silêncio…
E, és vaivém no meu pensamento
Silêncios…
E, és adivinha que descubro,
Silênciooss,…
És vontade no meu peito,
Silênciiiooosss…
E,…És ter e não ter sempre ao rubro…;
 
Oirégor

 

          

naveg(a)mar

naveg(a)mar
 
NAVEG(A)MAR
  
como o (a)mar tens marés
navego por entre as tuas vagas
sem saber ao certo quem és
espero por ti mesmo se tardas;
 
por entre o vaivém constante
dessas vagas por onde navego
aguardo que a maré vazante
seja alta como o (a)mar que quero;
 
sempre anseio que não tardes
sem vagas para eu navegar
peço até aos deuses de antes
que venha raso esse teu (a)mar;
 
vazante ou raso de vagas
(a)mar em ti é navegar
pouco importa se ainda tardas
esperar por ti é sabor a (a)mar;
 
Oirégor 
 

mulher madura

                                                               MULHER
                                               MADURA
                                              
                                               a tua esperança
                                               o teu sonho
                                               a irrequieta lenbrança
                                               o amor sem tamanho
                                               
                                               a mãe que perdura
                                               o corpo que espera
                                               a mulher madura
                                               o momento de agora
                                                
                                               a perspicácia atenta
                                               o sentir irreverente
                                               a alma que pensa
                                               o estar inteligente
                                               
                                               a beleza tardia
                                               o tempo passado
                                               a breve nostalgia
                                               a certeza do fado
                                               
                                               a amante eterna
                                               o desejo adiado
                                               a carência terna
                                               o ser mais amado
                                                                             
                                               Oirégor
                                              
                                              
                                              

palavras de todos os dias

…no rescaldo da época natalícia é já a substância das palavras que começa a amenizar e a escapar-se;
se,  como diz o cantor, " o natal é quando o Homem quiser", então que essa substância também o seja!
porque não há-de ser natal todos os dias?
porque não promover a paz todos os dias?
porque não vermos os outros todos os dias?
porque não todos os outros "porques", todos os dias?
 
deixo aqui algumas palavras, que dão sentido ao natal, conforme o sinto, chamei-lhe palavras de todos os dias!…
 
 
Palavras

De

Natal

 

Bom

Ofertar

Magia

 

Natal

Afecto

Ternura

Luz

 

Partilhar

Amizade

Risos

Alegria

 

Tolerância

Olhar

Diversidade

Abraços

Sentimentos

 

Ajuda

Solidariedade

 

Paz

Esperança

Saúde

Sempre

Optimismo

Amor

Saudade

 

Oirégor

 

 

   

 

 

r

finge(a)dor

FINGE(A)DOR 

se o poeta é um fingidor

então qual é a dor

que lhe inquieta a alma

que lhe impacienta a calma 

se finge que tem amor

então porquê a dor

que lhe sai do peito

que o sangra de insatisfeito 

se sente e oculta a dor

então porque mente sem pudor

que lhe causa tal disfarce

que lhe tolhe o desenlace 

se cala tudo com ardor

quem o faz ser fingidor

quem lhe causa tanta dor

será sempre aquele amor 

oirégor