minha poesia

   ontem comemorou-se o dia mundial da poesia,
   como se a poesia necessitasse de ter um dia,
   se não lhe pertencessem todos os dias!.
   e os outros dias?
   aceitemos as coisas assim,
   mas,
   como não gosto de dias ciumentos,
   resolvi deixar passar o dia e,
   agora,
   já noutro dia,
   continuar a comemorar com a "minha" poesia…;
                                                                          
                                                                          
                                                                          

                        MINHA POESIA

                            

                             gostaria que lesses um dia

                             os versos da minha poesia

                             se merece ser lida

                             ou ficar na pena contida

                             

                             fala do mundo dos loucos

                             que não parecem ser poucos

                             diz o que sente da vida

                             sem se sentir tolhida

                            

                             rebenta as amarras que sinto

                             dentro do pensamento

                             excepto quando minto

                             sem escolher o momento

                            

                             conta aquilo que vejo

                             sem tirar ou sem por

                             o sentir o meu desejo

                             o que vejo com amor

                                    

                             Oirégor

                                       

                       

                          visão nocturna 

                              

Anúncios

são como elas

…tinha prometido,
   há cerca de seis meses,
   dizer-vos como são as minhas colegas,
   de trabalho,
   de quase todos os dias,
   vou hoje,
   cumprir a promessa;
…é um bom dia para isso
   está a Primavera a desabrochar;
   é dia Mundial da Poesia;
…está um magnífico dia aqui pela região de Lisboa,
   um céu limpo de um azul brilhante que dá gosto,
   e um Sol quentinho que sabe bem…;
…ah!..
   elas são assim!!…;           
                                                                                        
                                                       
              
              são como as flores
               
             
              SÃO COMO ELAS
                                   são como as flores
                                   bonitas e belas
                                   são mais que amores
                                   são melhores que aquelas
                                  
                                   são como todas as mulheres
                                   mães  e jovens
                                   são bem-me-queres
                                   são diferentes dos homens
                                  
                                   são como as flores deste jardim
                                   que alguém plantou
                                   são-no aqui perto de mim
                                   são ajuda para ser quem sou
                                  
                                   são como as flores na Primavera
                                   na força do rebento
                                   são os amores desta era
                                   são amigas no momento
                                   
                                   Oirégor
                               
             
    

choro

dizem,
um homem não chora,
como se o não chorar fosse valentia ou sinal de masculinidade,
como se chorar,
não fosse exprimir,
sem querer,
a dor dos sentimentos,…   
dá vontade de chorar,
este pensar,…
 
quando digo que chorei,
foram lágrimas verdadeiras,
daquelas que escorrem pelas faces abaixo,
disso não me envergonho;
o que me envergonho é querer chorar e já não saber,
de me ter secado a nascente das lágrimas;…
                                                                    
                                                                  
                                                CHORO
                                             
                                      chorei as águas do meu mar,
                                      lágrimas do meu tamanho,
                                      encheram um rio ao passar,
                                      correram para o oceano;
                                             
                                      lágrimas, águas passadas,
                                      foi um rio o seu caminho,
                                      foram no oceano vazadas,
                                      chorei o meu mar, sózinho;
                                             
                                      não há água no meu mar,
                                      nem no rio, nem no oceano,
                                      chorei lágrimas sem parar,
                                      por tristeza e por engano;
                                              
                                      choro lágrimas secas,
                                      do meu mar, de água vazio,
                                      não enchem mais o oceano,
                                      nem correm por qualquer rio;
                                             
                                      Oirégor
                                                                                      
                                             
                                 
                             

momentos

 

…momentos;
…fotos de breves instantes;
…flashs dos sentidos;
…contá-los é sempre tirar-lhes conteúdo;
…aqui ficam alguns;
…já muito adúlterados…
………………………………;
     

                                                MOMENTOS

                                        

o

tom

do Sol mole

sabe como bem

aquece e conforta a pele

enquanto na água que vem

no rio que corre leve

o limo verde brinca ao esconde

esconde e logo reaparece breve

 

o

grito

do falcão ocasional

espreita do alto da rapina

por descuido fatal

enquanto na casa a mãe ensina

no conforto que na vida

o ganha e perde se aprende

também pela sabedoria sentida

 

o

espelho

do lago oculto

na frescura selvagem da floresta

reflecte tudo o que há de muito

enquanto através da rama desta

vertiginoso pingo de água sentido

com o vento lá no alto

cai nele em união e festa

 

o

calor

em hábito sufocante

abandonou o ar em dúvida

aparece chuva sábia provocante

enquanto nasce a manhã contida

rega o campo de água sagrada

trás a esperança perdida

aroma forte a terra molhada

 

o

imaginário

salta para o espaço

deixa o tempo e a natureza

caminhar no mesmo passo

enquanto procuro uma certeza

para não ficar mais perturbado

conto os segredos da beleza

de ver momentos em todo o lado

 

Oirégor  

 

 

 

momento