conto no sonho

…os rios da memória trazem à tona lembranças;
…já se confundem entre a realidade e a imaginação;
…são como o celulóide gasto de tantas vezes passar pela máquina da projecção;
…depois dessa realidade a vinte e quatro frames por segundo, a cena principal do sonho da vida continua;
 
 
                                            CONTO NO SONHO
                                             
                                            Sonhava sempre que estava
                                            num sonho presente contigo
                                            sonhava quando contava
                                            que estavas sempre comigo;
                                                                  
                                            Estava num sonho contigo
                                            sempre que presente estavas
                                            só não contava comigo
                                            a contar o que não contavas;
                                                                   
                                            Sonho no presente contigo
                                            o sonho que não contava
                                            e conto um sonho comigo
                                            a contar o sonho em que estava;
                                                                   
                                            Sempre que sonho contigo
                                            sonho o sonho em que estava
                                            conto no sonho que digo
                                            que sonhava o que contava;
                                                                  
                                            Oirégor
                                                                    
                                                                    

 

 

sonhos 

 

 

  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
                             
 
 
Anúncios

rosas belas

                

…todas as rosas são belas:
…mesmo as que não são Rosas
…podem ser Manuelas
…ou mesmo as pouco airosas
…desde que sejam iguais a elas;
                     
                                                         ROSAS BELAS

 

                                              um dia fui a Belas,

                                              procurar rosas amarelas,

                                              vi passar um par delas,

                                              mas, não estavas entre elas;

 

                                              espreitei, pelas janelas,

                                              para ver se atrás delas,

                                              estavas nas aguarelas,

                                              ou entre as outras telas;

 

                                              mas,…não estavas naquelas,  

                                              Belas,…rosas amarelas,…

                                              que vi passar nas ruelas?…

                                              e tinha pensado vê-las!…

 

                                              vou procurar, noutras vielas,

                                              rosas de cores singelas,

                                              mesmo que não sejam belas,

                                              mas que tenham gosto em sê-las;   

                                             

                                              Oirégor                 

                                               

 

                                                                 rosa amarela                       

flor imaginação

…ffffffff
…llllllllllll
…ooooooooooooooo
…rrrrrrrrrrrrrrrrr
 
…iiiiiiiii
…mmmmmmmmmmmmm
…a
…ggggggg
…iiiiiiiii
…nnnnnnnnnnnnnn
…a
…ççç
…ã
…ooooooooooooooo                     
                                                         FLOR IMAGINAÇÃO

 

                                              lembra-me a minha memória

                                              agora aquela promessa

                                              que fiz por uma crença

                                              de puder ficar na história

                                              por te procurar desde criança

 

                                                      prometi pelo que me dás

                                                      fazer crescer uma flor

                                                      como nenhuma que existe

                                                      portanto tanto me faz

                                                      que tenha sentido uma dor

                                                      sempre que de mim partiste 

quero-te até ao meu fim

mas é por aquela crença

de te querer abraçar

de sonhar ficar em ti

que sinto desde criança

para não mais te procurar

 

é a flor da imaginação

tão bela como imaginaste

semente da minha crença

que cresceu no meu coração

sempre que em mim pensaste

desde que não sou criança

 

porque hei-de esconder

a dor da tua ausência

isso não me vai valer…

mas é a bela crença

que sinto por te ver

que faz com que a flor cresça

e finde aquela dor

 

                                       Oirégor 
 
 
                                
                                                flor imaginação

portugal

…talvez por hoje ser 1 de Dezembro, ocorreu-me publicar aqui este pensamento-poema que já há algum tempo tinha escrito;
…provávelmente não fará mais sentido;
…os nossos sentimentos patrióticos e auto estima andam pelas ruas da amargura;
…consumimos desalmadamente, setas e tomates dos nuestros hermanos, Tshirts e peúgas orientais e sóis das americas de Fortaleza a Punta Cana;
…valha ou não a pena, pode ser que toque o rebate na consciência e nos lancemos a um novo mar:
…de imaginação,
…de criação,
…de arte,
…e aventura;
 
                                   PORTUGAL

                                                                                      

                                      antes, o haviam dito

e pensado como tal,

esta espécie de conflito,

que temos, é Portugal?!…

 

um Afonso o conquistou

e outro o alargou,

um Diniz o arou,

outro, Pedro, o emocionou;

 

João, Castela venceu,

e um monstro pereceu,

às mãos de um Bartolomeu,

que assim conquistou o Céu;

 

João, não sendo o primeiro,

enviou um Vasco, adiante,

gastando muito dinheiro,

pràs bandas do oriente;

 

cantado, por um Camões,

sofreu como um Desejado,

no tempo dos Filipões,

assim começou o fado;

 

um castigo, aconteceu,

não da parte do Céu,

numa noite, como breu,

toda a terra tremeu;

 

começou então uma desgraça,

e, em cada dia que passa,

se sente mais essa massa,

que a todos nos enlaça;

 

como será no futuro,

esse tempo de incerteza,

depende de vencer o muro,

que temos na nossa cabeça;

 

agora, dito de novo,

e, reescrito noutro final,

digo, o que sente o povo,

será isto Portugal?!…

 

Oirégor

 

 

bandeiras altas